segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Francamente!

Francamente, acho isto e acho aquilo!
Ritualística dos donos da franqueza
Apenas ouça, concorde e guarde sigilo
Nada como ouvir quem tem certeza.
Com pessoas francas, não tem grilo
Assumem que sua opinião é beleza
Mestres da retórica e jeitão tranquilo
Elas mantém a conversação acesa
Nada as compulsa mudar seu estilo
Têm vera opinião a colocar na mesa
E assim fazem do ouvinte seu pupilo.

domingo, 30 de outubro de 2016

Iberê



Imperioso nesse estilo sem concessão
Beleza estará nos olhos de quem a vê
Ele não divaga, vai ao olho do furacão
Reproduz a dor sem dizer nem o porquê.

Ênfase na expressão e traço indefinido
Contraria as escolas por aí renomadas
Assume a tristeza e morte sem alarido
Mostra uma visão original e inusitada.

A Iberê eu me curvo em muda admiração
Registro minha reverência mais sincera
Grande no Brasil e neste velho mundão
O mais instigante criador que houvera.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

PRISIONEIRO?

Barras de ferro prendem a matéria
Mas pro espaço sideral voa a mente
Somente corpo sofre essa miséria
Porque o livre espírito nada sente.

Pensa aprisionar ideias o verdugo
Mas estas desconhecem correntes
Não se sentem sob qualquer jugo
Não existem no interior das gentes.

Ideias, entes muito interessantes
Depois de nascidas não têm dono
Aditadas a outras que vieram antes.

Não buscam fama nem sequer trono
Sejam elas pequeninas ou brilhantes
E se você as tem, não perca o sono.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Às crianças

Brinquem crianças, nesta vida sincera
Rica em estranheza, óbice e desafio
Isto qualquer dia vai se tornar a vera
Nada que faça do seu viver um vazio.

Cada brincadeira reflete que se espera
Anos à frente quando pode haver estio
Nadando de braçadas na tua quimera
Deixando lamúria para trás, com brio.

O dia de amanhã ninguém o conhece
Assim quando ele vier estejam certas
Vai ser aquilo que teu tempo oferece.

E certamente portas e janelas abertas
Resultado certo do que hoje acontece
Apenas produto de suas descobertas.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Libando Vento

Ache uma poeta embriagada
E te mostro aquele momento
Que ela sóbria, cheia de nada,
Bebeu de vez um gole de vento.

Poeta é ser um tanto estranho
E diferente dos outros mortais,
Não se encaixa nesse rebanho
Dessas pessoas ditas normais.

Então viva as poetas criativas
Que engolem vento todo dia
Bem as queremos assim vivas

Para entretenimento e alegria.
Florbela Espanca, nossa diva
Embriagada de vento faz magia.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Recuerdos

Tempo amarela folhas da vida
Ficando apenas o palimpsesto
Como se existência transferida
E tudo o mais é somente resto

Ficam transtornados os espaços
E somente restam lembranças
Do que sabíamos vemos traços
Como da menininha de tranças.

Atestam as rugas de meu rosto
Que sou portador de certa idade
Mas pior a vista, melhor o gosto.

Sem abrir mão de toda vaidade
Ainda me sinto bem predisposto
De encarar de frente a verdade.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Sorrir

Há o riso, sorriso e gargalhada
E cada um, coisa diferente diz.
Riso é reação a uma boa piada
E dizem, sorri aquele que é feliz

Gargalhada pode ser sarcasmo
De quem se considera superior
Costuma deixar ouvinte pasmo
Porquanto não percebe sua dor

Porém há riso que é um choro
Ao mundo pedindo absolvição
Quem assim ri perde o decoro

E não garante qualquer perdão.
Portanto vamos sorrir em coro
E jogar pro alto toda atribulação.

domingo, 23 de outubro de 2016

Pomar do Éden

Imagem da internet www.sublime.ag

Pois algum dia alguém me disse
Que prá ser criança, basta querer
Recordar os tempos de meninice
E na imaginação os fatos reviver.

Porém nem tudo é simples assim
Há que lembrar que tudo fenece
Igualmente as flores de um jardim
Falece um dia, aquilo que cresce

A infância desfaz-se como rojão
A inocência infelizmente acaba
Pomar de adulto não tem jamelão,

Pêssego, maçã, jaca e goiaba.
Por isso, aqui vale a indagação:
Será que no Éden há jabuticaba?

sábado, 22 de outubro de 2016

Momices

Como fosse alegria de hora marcada
A cada um, carnaval manda ser feliz
Reduz nossas agruras a quase nada
Ninguém trás a máscara é o que diz.

Assim vai esse povo de cambulhada
Vivendo lindo sonho, pintando o nariz
Alegre tal não houvesse outra estrada
Longe da realidade como sempre quis.

Se carnaval existe, vista sua fantasia
Em cada folião uma alma de arlequim
Mesmo que sem vontade caia na folia.

Farra a vontade, mesmo em dia ruim
Invista no reino de momo como queria
Mas vá brincando de ser feliz até o fim.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Luzes

Cede a luz à sombra tenebrosa
Onde houve brilho não mais há
Mas se esta natureza umbrosa
Ousar infiltrar-se aqui, como lá?

Luz é vida do verso e da prosa
Uma escuridão é por si só, má
Zune espectro de alma danosa
Em que um enorme pavor trará.

Saindo a luz deste sol benfazejo
O mundo vai lhe sorrir por certo
Mesmo sem um aparente ensejo.

Basta sua alma esteja por perto
Realizará com certeza o desejo
Apenas tenha o coração aberto.

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Eternidade

E como querer a efemeridade da flor
Sei que teus olhos fugazes são tudo
Tento não beber esse tal cálice da dor
Eternizando o meu vir a ser, contudo.

Sei perfeitamente disso, meu amor
Tens na luz dos olhos todo conteúdo
E eu me perco neles, seja como for
Ultraja-me querer-te, e não me iludo.

Sob a dialética da crisálida provisória
O devir como deve ser, apenas sonho
Longe da realidade, somente história.

Hoje entretanto a seus pés me ponho
Ontem acabou o sentimento de glória
Só restou este ser humilhado, bisonho.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Viver

Viver é como encontrar a sintonia
Entre o passado, presente e futuro
É perceber do Universo a sinfonia,
Que conjuga movimento mais puro

É como encontrar atrás do muro
Algo que bem outrora foi perdido
Que agora vem a luz, sai do escuro
E torna-se o que deveria ter sido

É tentar responder as questões
Que, resumem todos os senões
E se tornar parte  da humanidade

É não se preocupar com a morte
Procurar cada um o próprio norte
Sem nem pensar na eternidade.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

A escolha


A vida é intrincado quebra cabeça
Que muitas escolhas a todos oferece
Independente do que lhes aconteça
Cada indivíduo terá o que merece

Mas, as vezes, nem tudo se encaixa
Algumas peças faltam simplesmente
Que não nos deixam de cabeça baixa
Mas que estimulam andar prá frente

Contudo, nos é compulsório sonhar
Com descontração da fugaz euforia
Descobrir aonde será nosso lugar

Neste Planeta que rescende poesia
E que antes de mais nada é nosso lar
E nos dá ótima arena para a porfia.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

arte pela arte

Assolava a cidade estranha epidemia
Gente alumbrada portando estandarte
Composições, obras e poemas havia
Até lembrava blogue Poetas de Marte.

Porque tanta criação, tanta poesia?
O que transformou o rumo destarte?
Parece que todos desejam sintonia
Que não deixe seus gênios aparte.

Sabendo que tempo futuro chegaria
No qual criadores seriam o baluarte
De toda beleza que no mundo teria.

Sem censura e qualquer contraparte,
Porque em tal mundo só de alegria
Por todo o sempre viveremos de arte.

domingo, 16 de outubro de 2016

À sabedoria

Após aquelas fronteiras antes conhecidas
Levou suas tropas para além, muito além
E conquistou longínquas terras esquecidas
Xenofobia nem pensar, não cabia desdém.

Ainda que tenha um império conquistado
Não foi só isso que legou pra posteridade
Deixou a grande sabedoria como legado
Referindo que é bobagem a propriedade.

E que nada valem os conquistados bens
Mais importante é fazer o bem somente
Alexandre diz que não importa o que tens.

Grande, como era conhecido este vivente
Naturalmente merece os nossos parabéns
O bom senso que legou ainda está patente.

sábado, 15 de outubro de 2016

15/10 - Dia do professor

Quero compartilhar esta homenagem à minha primeira professora de português, Maria Jamur.

Mas, há que dizer: muito ela fez
Apenas quadro negro e giz talvez
Regrou idioma pros alunos, de vez
Incitando-os à língua de português
Avaliando-os no fim de cada mês.

Jamais tal rigorosidade se viu
Ali se vertia suor e medo, até
Maria Jamur, rigor era seu perfil
Urdia tratos na aula de regras e fé
Reinava em nossa vida estudantil.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Aos "felizes"

Não compreendo humano prazenteiro
Que o tempo todo parece desprendido
Todo tempo alegre, falsamente festeiro
Ignorando o que pedem seus sentidos.

Quer vender imagem de um ser faceiro
Que contudo não deseja jamais ser lido
Porque ninguém o vê totalmente, inteiro,
Diz-se em nenhum momento, aborrecido.

Porém quando nos detemos no seu olhar
Percebemos mistérios, dúvidas, enredos
Embora ele goste de alegria demonstrar.

Por certo o interior está cheio de medos
Porquanto o que ele mais teme é o azar
Que certo virá, mais tarde ou mais cedo.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Flor

Florbela Espanca - Fonte internet 

Florbela d’Alma Conceição Espanca
Láurea lhe devemos pela vasta obra
O talento pujante que até bota banca
Representa a criatividade que sobra.

Belas pois são as ideias que escreve
Espalhando estrelas por onde passa
Lamentar tão somente sua vida breve
Ainda que tudo que criou nos enlaça.

Espanca legou-nos mundo mais leve
Sem desesperanças e sem espinhos
Por aquilo que deixou, a gente deve
Alçá-la a aurora de nossos caminhos.

Nunca uma poeta tão criativa já se viu
Com alumbramento que jamais a traiu
Apenas deste mundo ele se despediu.

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Dia das crianças


                                                                  Liam 01/12/2015

                                                           Benjamin 19/05/2016


Pois lembremos neste dia, as crianças
Que herdarão o Planeta no futuro
Deixemos pra elas mensagens mansas
Pois, para frente, o caminho  é duro.

Para luta lhes demos boas lanças
E outros meios para derrubar muros
Que sejam movidas por esperanças
Força e um idealismo mais puro.

É sempre fundamental muita escola
Sem a qual vida melhor não rola
E vocês serão vítimas do niilismo.

Crianças! este mundo não será triste.
Com os ânimos de vocês em riste
Conduzindo a vida com otimismo!

terça-feira, 11 de outubro de 2016

A Elas

Todas as mulheres são únicas, talvez
O que as faz, dos homens diferentes
Da vida são donas com graça e altivez
Assim, pois, dominam nossas mentes.

Se este mundo fosse delas somente
Afirmo que seria muito, muito melhor
Sem nós, as mulheres vão prá frente
Mesmo sem muito esforço e sem suor.

Um dia ainda vamos todos reconhecer,
Louvar e homenagear cada uma delas
Há que por essas vitais guerreiras ter
Encanto e trazê-las longe das panelas.

Rainhas deste universo e do bem viver
Elas são mães, filhas, esposas e belas
Se não concorda vá procurar que fazer.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Comento

Como leitor presente que as vezes comenta
Ouço minha razão: você é leitor, não inventa
Meio assim constrangido eu então confesso
Eu não desejo jamais parecer leitor obsesso.
Nesta que é um blogada na qual eu apareço
Tenho dúvidas se comentário terá seu preço
Apenas pois faço para não perder o costume
Revolvendo essa confissão que veio a lume.

domingo, 9 de outubro de 2016

À perseguida

Pequena, média ou grande seja
Representa o que o homem quer
Aquilo que qualquer varão deseja
Sua meta é onde a racha estiver.

Uma chana é perigosa armadilha
Assim também é sua proprietária
Com certo charme que até brilha,
Há atração que se diz necessária.

Onde surge, ninguém é indiferente
Contrário até mesmo sua vontade
Haverá certo impulso para frente.
Oh, fonte geradora de felicidade!

Também eu a quero minha gente
Aqui há pica em disponibilidade!

sábado, 8 de outubro de 2016

Christmas

O ano inteiro, de janeiro a novembro
Move-se o mundo em rítimo normal
E das festas finais sequer me lembro
Só que chega dezembro vem o natal.

Dia que toda a família, cada membro
Obedece aquela redenção comercial
E como que não havendo o setembro
Sai da conformidade a dar com o pau.

Tudo vira presente, tudo vira messe
Risos, comemorações e falsa alegria
E como dívida em janeiro não tivesse.

Só que enquanto quase toda gente ria
Sob essa falsidade instala-se estresse
Então vale a pena gastar energia?