quinta-feira, 20 de março de 2014

Memória


Se me ponho a lembrar do passado
De uma existência bem mais querida
Que outros prazeres me eram dados
Parece-me que foi uma outra vida

Colocando isso na justa medida
Mencionando todo desencanto
De caminho escuso mas nem tanto
Quem me dera torna-la esquecida

Aqui, olhando vago e pensativo
Não descubro porque estou vivo
Não há resposta porque é assim

Então angústia me vem à alma
Minha mente enfim se acalma
Daí esqueço o que será de mim.

Um comentário:

  1. Lindo esse "Memória", Jair.
    Parabéns, emociona, pode crer.
    Abraços.

    ResponderExcluir