quarta-feira, 19 de novembro de 2014

J & D

Eram desafinados, Júlio e Daniela
E sentiam profundo ódio no amor
Pois Dani foi feita de uma costela
Dele Júlio, o qual sente muita dor.

Eles curtem romance paradoxal
De chorar enquanto separados
Mas enquanto juntos cair no pau
Parecendo apenas dois tarados.

Felizes e zangados sempre estão
Vai um amando ao outro também
Seu romance tal qual um vulcão
Que as vezes vai, as vezes vem.

Pois lhes apraz o olho do furacão
Do qual seu dia-a-dia é um refém.

Um comentário:

  1. Acontece...Há uma linha muito ténue entre o amor e o ódio...
    :) :)

    ResponderExcluir