quarta-feira, 8 de abril de 2015

Labuta

Não enxergo nestes dias sem futuro,
Propícia ocasião de honrar trabalho
Algo que valha a pena tacar o malho
Saindo para sempre de trás do muro.

Contudo, trabalhar as vezes procuro,
Se disse outra coisa foi um ato falho
Porquanto labutar é bom prá caralho
Trabalho é como lanterna no escuro.

E ainda existe mais alguma vantagem
Trabalhar e dar duro para ter dinheiro
É tudo de bom, contrário à vadiagem.

Mas aqueles vagabundos o ano inteiro
Em nome do pernicioso ócio eles agem,
Ainda gastam tudo que têm no puteiro.

5 comentários:

  1. Oi Jair
    Nós somos os cães que rastejam aos pés dos generais e não adianta chiar.kkk
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Pois é, meu caro amigo poeta Jair, Voltaire já dizia que o trabalho afasta três males: o tédio, o vício e a necessidade.
    Um abração. Tenhas uma ótima tarde.

    ResponderExcluir
  3. Pois é, meu caro amigo poeta Jair, Voltaire já dizia que o trabalho afasta três males: o tédio, o vício e a necessidade.
    Um abração. Tenhas uma ótima tarde.

    ResponderExcluir
  4. Pegando gosto pelo soneto, não pára mais. É que nem o hino do Flamengo: Uma vez Flamengo, sempre Flamengo.

    saudações vascaínas
    Marcos (que em SP é Corinthians)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações vascainas, Jair que em SP é sampaulino.

      Excluir