sábado, 24 de setembro de 2016

Ao cuitelo


E as flores, que mais que tudo sabe você
Umas fontes que transbordam admiração
Sob seu bico floram sem saber o porquê
Elas, graças a tua labuta, são o que são.

Inclusive sei: sem beija flor, não haveria
Begônia, dália, magnólia, cravo e jasmim
Então, provavelmente em nosso dia a dia
Indiferença, tristeza e uma apatia sem fim.

Jardins de pedras, sem brilho e sem cor
Apenas terra nua sem uma vida qualquer
Frio pedaço de terra, sem nenhum calor.

Logo o Planeta, imutável tal não se quer
Obscurecido, tristonho, morrendo de dor
Reduzido a receptáculo da morte que vier.

Um comentário:

  1. Gracias por pasar por el blog tuve un error y se me borraron todos los comentarios que habia en algunas entradas que mal verdad.
    ‌Si sento si en alguna no te respondo por lo que ya te comentado.

    Me gusta mucho el tuyo.

    http://anna-historias.blogspot.com.es/2016/09/muerte.html?m=1

    ResponderExcluir