segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Às flores


Face a mudez daqueles que dizem nada
Liberta a palavra falada no jardim, a flor
Ousa pois mostrar sua alma apaixonada
Recriando antigas declarações de amor.

E aquela locução não falha é tão ousada
Sabe-se bem convincente e mostrar calor
Quando fala o que quer e se faz amada
Um dia fala pra gente outro com beija-flor.

E era uma vez a flor que ser gente queria
Falando e encantando no jardim a plateia
Assim cativando seu canteiro que a ouvia.

Lá estavam a rosa, o cravo e uma azaleia
Atentos e mesmerizados no que ela dizia
Motivados, sonhando em feliz assembleia.

Um comentário:

  1. Jair, meu poeta, na pressa e por descuido, apaguei seu comentário na minha última postagem. Mil desculpas. Peço-lhe que o faça novamente para que eu o publique. Obrigado.

    ResponderExcluir